Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Crónica de um louco sentimental - Nada é para sempre

autoria de Bruno C. da Cruz, em 24.02.05

Quando eu pensava que te tinha esquecido, a força da tua natureza criou um terramoto dentro de mim, destruindo a base sólida da minha segurança fazendo-me querer-te sempre mais... fazendo-me querer nada mais, ninguém mais do que tu. Limpo os destroços de uma vida, vida essa que um dia te acompanhou sem olhar para trás, sem medos, sem insegurança, com esperança de que tudo fosse para sempre. Mas nada é para sempre!

 

A tua chegada nunca foi para sempre. Partias momentos depois, devolvendo-me ao escuro do querer ter e não poder... devolvendo-me ao meu jogo solitário de esperas infindáveis por uma nova chegada tua. O teu beijo nunca foi para sempre, dissipou-se sempre na altura em que eu suplicava por mais e acabava por ter de me contentar com o menos de um mais que nunca acontecia. O sabor da tua boca já nem o sinto. Já não sei a que sabes. O teu sabor também não foi para sempre, perdeu-se nas discussões em que dissemos sempre tudo aquilo que nenhum de nós queria ouvir e dizer.

 

O teu abraço nunca foi para sempre. A minha vontade de viver colado aos teus braços nunca foi suficiente para abrigares as minhas inseguranças, os meus medos de criança, os meus choros convulsos, as minhas mágoas caladas, os meus traumas confusos. O teu abraço perdeu sempre um braço na hora de ser consumado. O teu prazer, esse também nunca foi para sempre. Acabou por se fundir numa necessidade obrigatória de matar a fome de carne, em vez de continuar a viver de vontades espontâneas de consumar algo mais que uma simples noite de sexo.

 

A minha dor não será para sempre. Também ela me abandonará juntamente com as tuas lembranças, deixando-me em paz comigo próprio, vazio de ti... pronto para me voltar a encher com o tanto que alguém me vai dar. Talvez aí, nesse processo em que volto a preencher-me de pedaços de alguém, volte a iludir-me ao ponto de re-acreditar que tudo é para sempre, até que esse sempre chegue ao seu limite e termine com direito a ficha técnica, notas de rodapé e música a condizer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:30


63 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.02.2005 às 19:13

Adicionei o link do teu blog no meu :)alma ébria
(http://almaebria.blogs.sapo.pt)
(mailto:almaebria@sapo.pt)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.02.2005 às 18:20

P/ angel_innocent: é mto mais do que isso (e agora falo por experiencia prórpia). kem ama ou já amou sabe que o amor é mto mais k uma acomodação! Qd se chega a essa fase de acomodação é sinal k o amor se foi e deu lugar a uma amizade apenas! Eu sinto amizade, tenho companheirismo e troca de carinhos e afectos com os meus amigos e isso n significa que tenha algo mais com eles... o rapaz que pensava que o mundo era redondo
</a>
(mailto:m@pt.pt)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.02.2005 às 18:07

(sem querer parecer que estou a ser demasiado conflituosa...) Que é o Amor senão uma combinação de Amizade, carinho, companheirismo... (entre outras coisas)? ...visões diferentes, admito!angel_innocent
(http://whataboutcooking.blogs.sapo.pt/)
(mailto:just_angel@sapo.pt)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.02.2005 às 17:54

P/ angel_innocent: embora o texto seja ficção, eu próprio não acredito e não é por medo... é apenas uma visão como tantas! O amor é bom enquanto dura e não devemos estar a pensar que terá um fim mas sim viver o momento... mas chega a uma altura em que ele acaba por ir embora. Por exemplo, os meus avós com 80 anos não acredito que aquilo ainda seja amor, mas sim acomodação!!! Amizade, carinho, companheirismo... os restos de um amor que um dia existiu! Mas é apenas o meu ponto de vista, independentemente de ser o mais correcto ou não ;-)o rapaz que pensava que o mundo era redondo
</a>
(mailto:m@pt.pt)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.02.2005 às 17:48

o texto até pode ser ficção mas na verdade existem muitas pessoas que passam mesmo a ter medo de acreditar... beijoangel_innocent
(http://whataboutcooking.blogs.sapo.pt/)
(mailto:just_angel@sapo.pt)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.02.2005 às 17:42

P/ angel_innocent: o sempre existe até ao dia em k acaba ;-) P.S.: este texto é ficção! O Louco é apenas uma personagem ;-) Bjso rapaz que pensava que o mundo era redondo
</a>
(mailto:m@pt.pt)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.02.2005 às 17:35

sempre e nunca... duas palavras definitivamente fortes! às vezes até demasiado... Realmente o que tu escreves é fantástico!!! Parabéns! Apenas uma opinião que gostava de partilhar: ainda que tivessemos um dia acreditado que algo era para sempre e o tempo te tenha provado que se calhar não é bem assim, não deixes de acreditar! De outra forma deixas de viver e podes perder a oportunidade de provar que se calhar o sempre até existe... um beijoangel_innocent
(http://whataboutcooking.blogs.sapo.pt/)
(mailto:just_angel@sapo.pt)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.02.2005 às 17:34

P/ Denise: n tens de pedir desculpa, a porta esta sp aberta :-) e qt à autorização eu dei-a em resposta a um comentario teu noutro post k agora n me recordo! Lembro-me que pedist para ir ao teu blog e deixar la resposta mas n deixaste o endereço! Desta vez deixaste e eu vou tratar de ir la responder-te ;-)o rapaz que pensava que o mundo era redondo
</a>
(mailto:m@pt.pt)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.02.2005 às 17:32

P/ Etrusca: ainda n vi o filme mas tenho de ver ;-) o rapaz que pensava que o mundo era redondo
</a>
(mailto:m@pt.pt)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.02.2005 às 17:32

P/ TMara: sim é bom pensar k é para sempre! E iniciamos sp uma relação com essa crença! É assim que deve ser... mesmo que o sempre acabe amanhã ;-)o rapaz que pensava que o mundo era redondo
</a>
(mailto:m@q.pt)

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog