Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Até logo, Beatriz...

autoria de Bruno C. da Cruz, em 02.09.04

Relógio, sempre o mesmo chato que nunca perdoa nenhum segundo. Faz-me acordar todos os dias de mau humor, a reclamar as minhas merecidas, mas nunca compensadas, horas do sono dos justos. A Beatriz ainda dorme. Dorme como uma criança. Perdida no tempo e nos sonhos, que se misturam às fábulas e aos contos de fadas, e a transportam daqui, para as cores do portal de uma vida afagada de alegrias e protegida de malícias e sofrimentos. A Beatriz é assim. Estagnou no tempo e vive a infância eterna. E não será por isso que eu gosto tanto dela? Resposta afirmativamente correcta e sem margem de erro e de cálculo possível.

Não a vou acordar. Nem pensar. Gosto de a ver assim, desprotegida e vulnerável aos raios do sol matinal, que se transformam em feixes de luz, que brotam da portada da janela, propositadamente mal fechada, e que lhe demarcam as curvas e lhe iluminam o rosto pálido de sono. Quem me dera ao menos ter o poder de fazer parar o tempo, apenas só por uns instantes, e ficar assim, por breves momentos, a alimentar a minha mente com esta agradável visão. Mas não posso. O tempo ruge e corre ao som de um tic-tac deveras irritante, e altamente demonstrativo, e ilustrativo, de que ele não pára. E que não pare então. Que corra muito. Corre sem parar, tempo irritante, e cumpre a tua maldição! Faz cumprir a razão da tua existência. Tic-tac… Que assim seja. E enquanto corres sem descansar eu acompanho-te nas voltas repetidas de todas as horas.

Tenho de ir, minha bela adormecida. Que inveja desses lençóis que te beijam continuamente a pele. Que inveja da almofada cúmplice de todos os teus sonhos e pensamentos. Que inveja deste grande espelho, que te vai ver a abrir os olhos para a realidade deste novo dia soalheiro.

Entrego aos teus lábios, ainda em descanso e indefesos, um beijo de bom dia e parto para longe da alma que alimenta o meu coração.

Até logo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:27


50 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.09.2004 às 11:56

Disse-to uma vez.Respondeste-me que paráva,naqueles momentos especiais...e eu digo:será suficiente?O segundo imaginário em que estás á espera de ver o ponteiro mexer e ele n mexe,xegará para tudo?[[]] daniel
(http://gadelhabros.blogs.sapo.pt)
(mailto:minus_human5@hotmail.com)

Comentar post




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog